Home
Projeto poderá Dividir o Brasil em 40 Estados

Projeto poderá Dividir o Brasil em 40 Estados

Quantos Estados tem o Brasil? Bem, atualmente a República Federativa do Brasil está dividida em 26 Estados mais o Distrito FederalMas de acordo com informações  publicadas pela Agência Câmara de Notícias, a aprovação, pela Câmara, do pedido de urgência para votar projetos que convocam plebiscitos para que os habitantes do Pará decidam se aprovam ou não a divisão de seu território em três estados pode dar força à uma série de propostas semelhantes que tramitam na Casa.

Estas propostas têm o potencial de criar mais 13 estados e territórios brasileiros, chegando ao total de quarenta!

Os defensores desta idéia citam como exemplo bem sucedido o caso do Estado do Tocantins.  Quando a constituição de 1988 foi promulgada, o Estado foi recortado de Goiás. Afirmam que entre a separação até 2006, Tocantins cresceu 155%.

No mapa abaixo você encontra a lista dos possíveis novos estados e territórios. Entre eles: Mato Grosso do Norte, Tapajós e Araguaia.

Nova Divisão do Brasil

Bem, mas que relação isso tem ou poderá ter com as Geotecnologias?

O mapa do Brasil terá de ser redesenhado, assim certamente haverá grande demanda de mapeamento e novas produções cartográficas.

Apenas um lembrete: Ainda é apenas um projeto, não há nada definido ainda. Você pode conferir mais detalhes clicando aqui ou neste outro link.

Deixe seu comentário sobre como você acha que o Geoprocessamento pode influenciar essa possível futura mudança no mapa do Brasil.

Curta nossa página no Facebook [PortalClickGeo] e siga nosso Twitter [@ClickGeo] para continuar atualizado sobre o Mundo das Geotecnologias.]]>

25 Comments

  • renda extra disse:

    Site muito bom!
    Michele Rani

  • Ueder disse:

    Por mim, deveria quebrar o Brasil em três países de uma vez. Chega de um país grande! Quer se aparecer com Estados Unidos!
    Pseudo-Brasil!!!

  • juatel becker disse:

    mato grosso do sul melhorou apos a divisao e mato gerosso tambewm, ambas se beneficiaram, temos que dividir o pais nao em 40 estados e sim em 50 estados a exemplo dos estados unidos, estadao grande demais fica vitima da poiticagem, nao tem direção, isso e provado, tocantins, melhorou comm a divisaop tammbem, isso e obvio, agora pedir licença com plesbicito, obvio que quuem mora em belem, ta se lixando para auem esta no interior, nemm conhece qa realidade de la, isso e besteira, tem que ter um presidente apto e ele fqazer e prontop de uma so vez assim teriamos um pais realmmente grande e otimo, para inicio dr becker

  • EDUARDO OLIVEIRA disse:

    Sou leigo no assunto,mas,creio que com meus 45 anos já vi divisões territoriais no Brasil darem muito certo,é o caso do Mato Grosso do Sul… Todo e qualquer empreendimento gera gastos no começo,mas,logo em seguida começa se uma nova história,quando o Brasil lutou por independencia Politica de Portugal,percebeu que poderia ser bem melhor andar com suas próprias pernas,e além do mais a realdidade Politica,cultural e economica do Sul talvez não seja á realidade do Norte do Pais…Mas,há interesses Politicos em não deichar o Pais gerar novos estados,há interesses que não prezam o bem estar do cidadão!!

  • Tomara que isso aconteça logo adoraria fazer parte do estado do triangulo.

  • Oi, não achei a data dessa reportagem. Quando ela foi publicada?

    • Olá Luciano, como vai?
      Esse post é de 2010. Por sinal, em 2011 já houve um plebiscito para dividir o Pará em três estados, mas a população não aprovou.
      Outros projetos continuam à tramitar…
      Abraço!

      • E para dividir o país? kkk brincadeira…
        Valeu pela resposta, estranho não aparecer a data da publicação… senti falta…

        • Oi Luciano, em geral não colocamos datas nos nossos posts por uma questão de SEO.
          Sinceramente estou surpreso pelo número de visitas nesta postagem, creio que deve ser por conta das eleições… na verdade por seu resultado.
          Abraço!

  • Jason disse:

    Só acho que a COCHA DE RETALHOS (mapa) descrito acima, ainda está desproporcional, principalmente com relação a Região Sul do país, a qual tem sido a mais desfalcada durante todos esses anos, sobretudo depois de ter perdido São Paulo para a Região Sudeste e ficando atualmente apenas com 3 Estados, portanto, não poderia ficar sequer de fora desse projeto.

    • Jason,
      Agradeço por seu comentário. Interessantes suas observações.
      Abraço!

    • Guilherme disse:

      O que eu acho é que terá novos 13 governadores e mais uma pancada de senadores e deputadosdeputados fedfederais e estaduis, e cada um desses leva junto uma lera de portariados e acessores pra ganhar dinheiro facil sem fazer nada, pq não temos nada de bom em saúde, educação, saneamento e segurança neste País. Sem contar que serão mais cinco novos territórios federais e nesses lugares os funcionários públicos ganham como funcionários do Distrito Federal, quando não ganham igual eles entram na justiça e conseguem ganhar. Outra coisa o Sul será mais prejudicado ainda do q já é pq os repasses da uniao para os estados serão mais divididos ainda. Estes estados serão apenas uma escoria para os que produzem que terá que dividir com eles e desse jeito não tem cu de peba que aguente.

  • Fernando disse:

    Acho interessante o desmembramento para melhor governabilidade da área. Porém lembremos que o número de políticos (aumento de corrupção) e funcionários públicos (acabam por onerar as contas do governo).
    Sugiro entretanto uma contra medida: A UNIFICAÇÃO dos estados nanicos em um só estado. Seriam eles: Alagoas, Sergipe, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Paraíba.

  • Gomes disse:

    Eu seria a favor principalmente da divisão em nações, desde que com um acordo econômico, tipo a União Europeia. Seria interessante um projeto dessa magnitude.

    • Ivan Gomes disse:

      Não precisamos disso, uma vez que teriamos uma mesma relação como país. Além disso, existe uma maneira mais fácil de fazer isso: colocando em ação o próprio nome do Brasil ( republica federativa do Brasil) que basicamente diz que os nossos estados são autonomos, mas isso só é no papel, na prática somos todos dependentes.

  • mauro duarte disse:

    os pantaneiros são esquecidos,em meio á dois estados,somos sempre tratados como inferiores aos outros,a criação do territorio do pantanal levantara nossa auto-estima e resgatara a identidade do nosso povo.

  • Victor disse:

    Eu estou vivendo no estado do Tocantins há 6 meses, e o que eu percebi foi um povo educado, generoso, trabalhador e que amam sua terra. Na capital, Palmas, vemos a bandeira do estado hasteada nas avenidas. A cidade é super organizada é há um controle da urbanização.

  • Lucas Alves disse:

    Sou de Sinop MT,e acho q não e necessário,criar o Estado de Mato Grosso do Norte.Porq do jeito q esta a situação,não vai mais existir Mato Grosso.Mas apesar de tudo eu aprovo o Estado do Pantanal,acho q deveria ter mesmo um Estado para essa região ate por conta que deveriam ter uma cultura própria e identidade.

  • João Henrique disse:

    Aumentar o número de estados não se aplica, aumentaria o índice de corrupção, o correto é separar o pais em cinco unidades federativas independentes, somos sabedores da complexidade de um projeto deste porte, porém, colocando especialistas, mesmo sendo estrangeiros, seria possível esta divisão, com o propósito de tornar a vida do povo brasileiro mais fácil de viver , porque atualmente esta difícil.

  • Ademir Pereira Jorge disse:

    Sempre que um país é citado como exemplo para resolução dos grandes problemas do Brasil alguém eventualmente se levanta pra argumentar que não é comparável devido ao nosso tamanho continental.
    É no mínimo curioso que grande parte da população veja o tamanho do país como um dos nossos grandes entraves, mas considera absurdo a sua divisão.
    Na minha opinião o país poderia ser dividido nas cinco regiões já existentes, com governo e economia independentes. Porém, seríamos unidos em um sistema semelhante á União Européia, onde qualquer cidadão das cinco nações hipotéticas poderiam circular, trabalhar e morar nas demais.
    Isso aumentaria o senso de responsabilidade dos governantes que não ficariam tão dependentes de um governo central e distante.
    Aumentaria a variedade de opções de governança ideológica, pois um cidadão poderia “escolher” viver onde um governo fosse mais alinhado com o seu pensamento.
    As vantagens de ter um um país com dimensões mais parecidas com a imensa maioria dos países do mundo nem precisam ser enumeradas.
    Quanto as possíveis desvantagens que seriam encontradas nesse processo devido as disparidades econômicas, poderiam ser resolvidas com negociações de compensação e período de transição. Lembrando que há vários exemplos no mundo de países que deram certo mesmo sem a necessidade de abundância em recursos naturais.
    O maior empecilho para tal processo seriam as paixões nacionalistas exacerbadas que não enchem barriga de ninguém.

Leave a Comment

*

*